Castelo Branco


Palácio Branco

Era um palácio branco
Era uma luz amarela
Era ouro
Era eu
No universo
No caminho livre
Enquanto o som fazia a estrada
Eu corria na luz peralta.


Era uma corrida na estrada verde
Era uma maça perdida no chão branco
Era eu no caminho esquecendo a voz do silencio
Enquanto o som fazia o drama em uma sombra


As armaduras eram armadilhas
Os gritos eram do vazio a porta ficou aberta
Não havia rei e nem rainha
O castelo era água límpida
O celo era o tudo, o piano um novo mundo


O cavalo voava
O corvo tinha asas brancas
E a batalha era ilusória
O final não existia
Já que o tempo é o novo agora.

Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®


Comentários

  1. Belíssimo conto de fadas às avessas em formato de poesia!

    Muita paz!

    ResponderExcluir
  2. Aprazível lampejo; um volátil onirismo.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Olá Marli, querida
    O surreal ganhou teus versos!
    Parabéns! Beijos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Agradeço a visita!
A sua presença e comentário são um privilégio precioso.
Volte sempre é uma honra te receber em meu humilde espaço.
Um beijo de violetas.

Postagens mais Visitadas

O céu é de algodão doce.

Aves Místicas I - A Caçada

Sutil Feitiço

O Espantalho

Um perfume de lavanda e um sorriso glacê

Mãos e Pés Azuis