Anos de Saudade!




Anos de Saudade! 




A tua voz consagra a alma em alegria
E o sol solta o ouro uma voz de energia
E os pés giram buscando na luz voar
O pensamento se dilui no ato de amar...

Se a lembrança fosse só ourives da vida
A luz dos anos de saudade seria absolvida
A voz agraciaria só em poesia do amanhecer
Do ser, a mergulhar nas letras, até adormecer.

O sol aquece o céu e a terra do coração
Voar é solitário o nada é tudo na inspiração
O amor ocupa o espaço incluindo o inatingível
Então na jornada o sol se tornou o rei tangível.

E enquanto o tempo vai no passado passeando
Reatando a paz no presente a agonia expulsando
Retorno do precipício ao sol da alma comporei
A tua voz vira beijo e a lembrança o ouro do rei. 

Marli Franco
Direitos Autorais Reservados® 



O Cisne e o Piano




O Cisne e o Piano



Uma tarde de silêncio invocando um piano ao fundo na sala parada no fio do tempo.
 Um momento de respirar a profundidade de si mesma, a amizade com a alma em cada nota do piano. As notas que silenciam o externo e suas configurações distorcidas da verdadeira plenitude.
O cisne clama para sentir este silêncio profundo, na voz que salta da paz agraciada como se as asas alcançassem um voo supremo.
 O sentir dos elementos existências tocam as asas acima da comoção, o transmutar vai além da terra, navega nas águas mais leves até plainar no infinito do ar.
A sensação no momento sem a realidade tensa, repleta de adornos preocupantes e vozes desgastantes. O cisne nas águas da alma a sentir o sol em si mesmo, até chegar a sua lua ao voar.
 No cisne responde a voz latente da realidade disforme da plenitude.
A sala sustenta o piano, sustenta a evocação do cisne atingindo a grã personificação da alma, a que amplia o coração na aprendizagem suprema.  
No silencio e para o silencio a onde está a graça plena do bater de asas, sentir que água lava da terra e tudo que agride nas lições exaustivas; nas verdades pequenas diante da grandiosidade do supremo ar ,quando o voo invoca a sabedoria da espiritualidade.
A linha do cisne estabelece no royal avançando ao púrpura da iluminação ,atingindo o infinitivo do branco que aborda e aporta na grandiosidade das asas da paz, para apenas voar e sentir-se livre no ar...


Marli Franco
Direitos Autorais Reservados® 

Silêncio da Temporada



Silêncio da Temporada


Aconteceu o outono no firmamento
Em passo lento abril abraçou o vento
Despertando sentimentos de gratidão
E   veio nos cantos e vozes de maio a sensação
Chegando insuperável aos olhos dos amanhãs
Feito flores a nascer, perfumes de romãs
O vento e o ar tocando harpas a mover rajadas
Nas folhas o mormaço do silêncio da temporada...


E enfim o ocre tingindo os dias de outono
A mais linda e infinda poética no trono
Do sol a namorar e a lua aquarelar
A novela inexplicável e eterna a romancear
Que faz o sol em toda aurora ao luar um tributo
E a honraria da lua ao rei no anoitecer o seu fruto.


Nos tempos outonais voa os movimentos lunares
O amor é vigilante da lua em seus bulevares
O sol dorme nas esquinas das marés na hora das desfolhas
Refletindo na estação o desapegar-se das escolhas
Caídas no regaço das altas ilusões infindas e caladas
Como a tal novela que passeia nas madrugadas
Em uma só lágrima abraçada na saudade
Ao clamor do orvalho dissolvendo a sensibilidade.
Ah! Outono o vinho nostálgico das estações ...

Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®