Escrita de Fogo



Escrita do Fogo



A alma sabe ler o avesso do verso, expurga tal qual uma devota
Como os ventos sabem onde nasce antes mesmo de fazer sua rota
Como as mãos sabem a hora de ter que iniciar a escrita do fogo
O coração desvairado olha o delírio ardente que palpita no jogo.


A alma sabe ler o luar, as estrelas, sabe emergir na voz do vento
Romper as grades e voar entre o céu e a terra no sentimento
Quebrar a quietude para voar na cápsula da solitude e sentir
A caricia suprema da alma do outro deslizando no seu intuir.


O feitiço queima o corpo como um vulcão em erupção
Nada se compara ao elixir da viagem noturnal da comoção
Só a experiência das mãos vagueando na luz no céu de mel...


Não há como expandir sem o fogo do amor na noite do coração
A chama perpétua da escrita desmanchando nas linhas espalma

O sútil olhar sabe captar o desejo na palma que só fala da alma...


Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®


Sutil Feitiço



Sutil Feitiço



Na flauta dos bambus vem o som da alquimia
Na luz do dia amanhece a estrada refeita de energia
E entre os bambus o rio navega sem parar e professa
O sol se aquece no amor da lua que sempre confessa.

Nas lendas dos bambuzais voam as vozes ancestrais
O vento carrega o sorriso das mariposas confidenciais
No cálice das palavras o fluir dos sonhos no seu balanço
Reprisando segredos que só o rio relembra em seu avanço.

Nas alcovas dos bambus o delírio das mãos te arrasta
Conta as estrelas que a sensação nos corpos incandesce
A palavra nua se veste de paixão e nos versos entorpece.

Há quem diga que no bambuzal a lenda do amor devasta
No caule sempre altivo e flexível no tempo não desespera  
No balanço dos galhos o seu coração com sutil feitiço impera.



Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®


Tarde Poética



Tarde Poética



Sinto falta do papel e do lápis ...

O teclado não corre como meu desejo ...
E aquela mesa quebrada ali na frente, equilibrando-se em um vaso de flor sorrindo, delicadamente vai parando o tempo ....

Sem parar os passarinhos e seus pezinhos .... Os passarinhos   com seus biquinhos tão fininhos e suas cantorias emanando bem-estar no meu agora...

O tempo desacelera e a minha tartaruga interna desliza na mesa quebrada ...O meu olhar se viu em nudez de poesia, deixando nos pés da mesa quebrada as vestes das preocupações …
E assim a tarde trocava as horas entre linhas e o aroma das flores, ao sabor do vento manso até a poesia se cobrir; naquela tarde morna de gratidão pela escrita minha doce amiga...


Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®




Perfume de Poesia



Perfume de Poesia


“Hoje olhei o amor em minha alma
Tão belo, tão reluzente fechei a porta
Sai sem fazer barulho não quis acordar
O amor na minha alma. ”

Havia um perfume inebriando as cortinas
Um sol que faz na casa interna sua festança
Na varanda o vento brejeiro que alucina
Faz graça de gato espreguiçando na tardança.

Haviam canções no assoalho das andanças
Sonhos coloridos amanhecidos na lua franca
Jogados lá na mesa na sala das lembranças
Com a toalha bordada de relva branca.

Hoje, só hoje entendi depois de sair
Que vou voltar, quando relógio deixar
Ver o amor da minha alma, o elixir
Em perfumes de poesia fluir e amar.

Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®


Asas



Asas

Quero asas para voar acima das montanhas
Longe, distante acima das terras estranhas
Alçando as nuvens descobrindo novos ares
Escutando no azul as vozes lunares.

Quero os meus perfumes para sentir
A leveza do meu viver, a evoluir
Tocando como ventania de fita
Colorindo meu corpo de voz escrita.

Os pés precisam de plumas
As pedras não calçam espumas
Nem servem para caminhar.

As mãos de pétalas são prosas
Os espinhos não são rosas
Vivem no mesmo caule sem cativar.

Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®


Lume Sagrado


Lume Sagrado

O lume verte em um raio surreal...


Na voz do mar suave ele vive candeia
Na brisa das estações exala os sutis sabores
Na imaginação flui  em luz  de cores
Se no coração cai, ele simples, incendeia.

O lume desliza a palavra é seu vitral...

No tempo os ponteiros se rompem ao decolar
Quebra os segundos tingindo-os de anil
Seduz com graça a dança primaveril
Mágica expressão do belo é o cisne a alçar.

 O lume é mirra na alma perfume eternal...

Sagrado ele une o sonho a realeza da sabedoria
Inovadora perpetua o desejo  dos deuses ao tesouro
Imaginário ele ilumina, a essência vale ouro
Precioso a joia do poeta, a sua alquimia
 Ele o lume sagrado ...a inspiração!

A inspiração o círio inviolável da Poesia.

Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®