Adega Íntima




Adega Íntima


O tempo passou na volúpia do descaso
O acaso que escorreu no cálice da vida
Na partida os lábios com o doce paladar
Amar sem segurar a haste prometida.


Olhei de frente para o cálice e o vinho
O caminho rubi diluído se movendo
Lembrando ali o líquido efeito do amor
O vigor até onde foi evaporado na dor.



Analisei como um enólogo este passado
Decantado vinho na adega já perfeito
Eleito e reverenciado em longos tempos.


 Guardei toda vastidão de saudades
Vontades de uma atenta sommelier
Voyeur na adega liberta da recordação.

O amor e sua videira, uvas delicadas
Abnegada na aliança da parreira viva.
Missiva dos sonhos que vinhos fecundos!

Marli Franco

Direitos Autorais Reservados®






Comentários

  1. Belissima poesia!!!! Parabéns Marli pelos versos que te habitam! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Vilma Piva gracias pela presença e gentil comentário querida Poeta uma alegria te receber.Bjs de violetas

      Excluir

Postar um comentário

Agradeço a visita!
A sua presença e comentário são um privilégio precioso.
Volte sempre é uma honra te receber em meu humilde espaço.
Um beijo de violetas.

Postagens mais Visitadas

Poema musicalizado "Eu Escrevo"

Plataforma Dourada

Aves Místicas I - A Caçada