Seguidores

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Palavra Incontida

(Obra de Vladimir Volegov )

Palavra Incontida

Contemplo o teu olhar em meu passeio
Nas minhas costas sobe e desce cambaleio...
Feito os ventos nas encostas do rochedo
Delicia-se alisando a vontade e o enredo.

No coração vem um sorriso de andança
Feito mel escorrendo na folha branca
Tuas mãos se apertam na lua bandida
Noite de calor na palavra incontida.

Não existe tempo para ir ou vir no agora
Na verdade nem estações leves para pousar
Só passeios doces e desejos pintando no ar.

Os pensamentos em alvorada... Sem demora
O teu olhar noturno desnudou a caminhada.
Gingando descobri, a tua paixão abalada.
Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®




terça-feira, 17 de junho de 2014

No Anil da Poesia



No Anil da Poesia

A lira aquece a alma do Poeta
Que Psique em um canto suspirou
Seu amor incomparável a Orfeu.
As estrelas deslocam ilusões
Os versos iluminam a terra
Na pauta os amantes declaram paixões.
Um aroma na folha perdura
A emoção delicada do abandono
Royal mundo dos belos acalantos.
Ah!Poeta dos versos que mais li,
Da ilusão febril das belas estrofes,
Infindáveis dádivas cantadas
Nas horas enluaradas ou ensolaradas...
Rege o sol e a lua teu o olhar Poeta!
No anil da Poesia tua alma é luz que flutua...

Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®







segunda-feira, 16 de junho de 2014

De Volta à Poesia.


De Volta à Poesia.


 
Estou voltando para ti Poesia,
 totalmente e infinitamente como uma chuva molhando
 meu corpo e minha alma.
Estou voltando tão completa,
reativada no ar da eteriedade e com as palavras saltando nas mãos.
Estou voltando com o sol infiltrando em todos os meus sentidos.
Nada é tão pleno como a volta aos versos,
nada é tão livre como a prosa, doce ambrosia.
Que o Olimpo me ilumine estarei velejando no surreal
 lá a liberdade vai ser os meus sapatos
e meu manto será o sol durante o dia e na noite usarei o luar
para voar entre as estrelas e a terra.
Deixarei para traz a seca da ilusão
ela não faz mais minha roupagem,
já não quero sonhos pintados com a realidade
nada disso me inspira mais; é vago e sem cores.
Quero o meu universo com a coloração do meu olhar
vagando onde a ventania me levar.
Quero que a chuva da inspiração
 deixe minhas mãos molhadas
com o perfume das metáforas,
quero um rio azulado e pedras com a cor das rosas.
Já não vou andar eu vou voar, pois estou renascendo na Poesia.
Vou me pintar de tantas cores quantas a liberdade me guiar.
Quero ver as árvores verdes se transformarem em verbos
e as letras em borboletas e minha alma deitar nas campinas da Poesia.
Poesia eu voltei para ti meu verdadeiro e único eu!
Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®