Margem


Margem

Ando em um chão que não mais conheço as linhas, parece que os desenhos foram modificados .
As alamedas estão floridas, mas as flores possuem cores diversificadas, meu olhar já não entende os tons tão mesclas
que escorrem   e se  aquarela .
As frondosas árvores estão belas, mas seus galhos tão diferentes perderam a clareza de como  se balançam ao vento, perdi a sua linguagem.
No entanto as estradas que vejo contornando a montanha são claras e o rio que vejo ao longe seus murmúrios tão bem os entendo. E quando o vento passa em suas águas sei soletrar verso após verso.
Ando ficando cada vez mais nas margens, caminhando cada vez mais nas margens, delas olho o céu acompanhando as nuvens.
Nas margens sei conjugar os verbos todos, lá o tempo é previsível e o azul esta no alto, o verde simplesmente aqui em baixo.
Nas margens eu estou complacente comigo mesma. Com a natureza da minha alma e com a calma que me alastra na mesma correnteza do rio. No rio lá depois da montanha.
A noite já caiu muito, preciso guardar a poesia, quem sabe outro dia voltar ir em frente, além da montanha e lá do rio, quem sabe...
Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®





Comentários

Postagens mais Visitadas

O céu é de algodão doce.

Aves Místicas I - A Caçada

Sutil Feitiço

O Espantalho

Poema musicalizado "Eu Escrevo"

Um perfume de lavanda e um sorriso glacê