O Rouxinol


O Rouxinol

Quando te ouvir com o canto de Orfeu
Deixando o sonho correr as minhas margens
Nas dobras das horas incoerentes do relógio
Sentirei o som dos versos quebrando o silencio.


Então deixarei a solidão seguir teus passos
Sentirei tua presença exultando-me no espaço
E minha alma sendo o abraço de um lago silente
Esperando o momento de fundir-me em teu mar.


Haverei de confinar-me neste abstrato sentir
Onde não sei quando você sussurra enfim
Ou quando é eu amando-te assim a emergir
Acariciando tua voz na freqüência além de mim.


Receberei afinal um tempo do relógio
As estrelas farão brilhos de advertências
Criando sinais significativos de alerta
Para iluminar-me na tua voz de rouxinol.


Olharei assim teu corpo, um poema, o meu farol.
Teu título à luz que me instiga no fluir da vida
Girando meu ser em uma aliança indestrutível
A sentir pleno na euforia da poesia inextinguível...

Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®


Comentários

  1. querida!!
    Luz é ouro aqui!! que delícia de blog!! passo rápido às vezes, mas hoje quero deixar minha pegada! Um beijo grande e meu carinho!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom. Isso me fez lembrar "O rouxinol e a Rosa" de Oscar Wilde.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Marli, querida, lindissima poesia!
    Imagens poeticas que nos enlevam.
    Parabéns!! Beijos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Agradeço a visita!
A sua presença e comentário são um privilégio precioso.
Volte sempre é uma honra te receber em meu humilde espaço.
Um beijo de violetas.

Postagens mais Visitadas

Poema musicalizado "Eu Escrevo"

Plataforma Dourada

Aves Místicas I - A Caçada