O Meu Silêncio


O Meu  Silêncio

Lilás é a liberdade que me clareia.
Juro o que desejo e como almejo...
Em uma tempestade me torno oásis,
Sou tinta, a cor pura em um lampejo
Assim sou o que sou e de mim versejo.
Ontem e agora minha criação doutrina,
A letra na minha morada é presente divino.

 Silêncio na voz, ainda que a vontade grite...
A harmonia que em mim habita não permite,
Desnecessário gastar energia em vãs sensações
A expressão maculada é como o vazio das paixões.
Não compensa a perturbação na limpidez do âmago
Nada farei então, ao pé do teu devasso amargor
Em tua criação desestabilizada embebida em cicuta.

Que o azeviche que escorre em tua ironia,
Não verta mais na minha veste de noite vazia.
Já que manchou tua camisa nas sílabas de fel,
O teu pecado foi além do além, perdeu-se no papel.
Voltou de onde nunca saiu,
Na tua mão ali se esvaiu.

No final de tudo eu bebi o riso da madrugada...
Na minha taça da liberdade brindei relaxada,
O pensamento no dia seguinte foi um juramento...

Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®

Comentários

Postagens mais Visitadas

Poema musicalizado "Eu Escrevo"

Plataforma Dourada

Aves Místicas I - A Caçada