Fagulhas da Essência



Fagulhas da Essência


A tarde o piano me fala em pausas e sussurros,eleva-me em descuido...
O meu eu se aproxima da clave de sol, mas em um dó escapa fluindo...
O si me suplica, que lá fora cai o sol vem a lua e adormece o girassol.
Não sei ...Mas em prata fico estática, no meu ostracismo de uma nota sol.


O que o sol pensa, quando mergulha no descanso de uma pauta?
Perder a lembrança do dia, disciplinado na nota de uma flauta...
Ou o sol ainda anseia, ficar mais um pouco e ter na pauta a lua...
A lua só deseja beijar, a nostalgia na noite, em dó como fagulhas.


No final da tarde, a vontade em si é mergulhar no mar da essência...
Nu o sol aquece as ondas , mostra em fá para lua sua exuberância...
Deixa o mar bravio, com a ousadia de ferver as ondas sem rubor .


Netuno vem guiar no final da tarde, sem preâmbulos de mi a tocar...
Mostra que é o deus das águas ,em lá maior coloca tudo no lugar.
O sol se vai quando a noite cai; a lua vem brilha a prata sem dó menor...
Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®


Comentários

Postagens mais Visitadas

Sutil Feitiço

O céu é de algodão doce.

Poema musicalizado "Eu Escrevo"

Tarde Poética

Asas

Perfume de Poesia