* O Sol



* O Sol

O meu dia começa assim, calmo em ti, na lembrança vagando as belas sensações que me despertam...
O dia quando se inicia em teus braços fica mais leve, sem embaraço, sem dificuldades.Fica pairando naquele tom de azul leve salpicado de nuvens, sorrindo no infinito céu a fazer caretas para o sol que se esquenta sem nada poder fazer...
Os pássaros voam fazendo algazarra desta briga silenciosa sem esperar uma resolução, já que o dia tem aquela preguiça da semana estendendo-se no chão empoeirado da vida.
E o sol lá esquentando faceiro, fazendo de contas que é dono de tudo e pode comandar as brancas nuvens.Enquanto elas sem pressa fazem a corte deixando seus raios quase tocarem seu algodão que voa na cadencia do vento que sem se importar, aproveita e faz um personagem de sorte no triângulo carregando as nuvens de lá para cá...
O sol atinge sua paciência alterada por volta do meio dia esquentando tudo que em baixo dos teus raios cair, queima em combustão pensando o que pode fazer para aplacar a graça das nuvens sem queimá-las com seu amor tórrido.
Mas o vento ali nem imagina que nesta confusão foi mesmo o causador de pintar as nuvens de cinza de um momento para o outro fazendo o sol ficar escondido pelo susto das nuvens que agora são algodão escurecido.
Sol então deixa passar o tempo sabe bem que outro dia ele volta para receber o sorriso das nuvens brancas e se fazer faceiro neste amor tão matreiro.Calmo deixa as nuvens perderem-se em chuvas doces alimentando o planeta dando sua água bendita para florescer a deusa Terra.

Marli Franco
Direitos Autorais Reservados®

Comentários

Postagens mais Visitadas

Sutil Feitiço

O céu é de algodão doce.

Poema musicalizado "Eu Escrevo"

Tarde Poética

Asas

Perfume de Poesia